NOTÍCIAS 

 

20/03/2020

A Petros encerrou 2019 acumulando o maior patrimônio de sua história, de quase R$ 108 bilhões, um crescimento de cerca de 19% em relação ao ano anterior (R$ 91 bilhões). A marca foi alcançada graças à rentabilidade dos investimentos (19,69%), a maior em 12 anos, considerando todos os planos administrados pela Fundação. Com este desempenho, o retorno líquido dos investimentos consolidados somou R$ 14,565 bilhões, mais que o dobro do resultado obtido em 2018 (R$ 6,025 bilhões).

Entre os destaques estão os títulos públicos, com retorno de R$ 8,449 bilhões, respondendo por mais da metade do rendimento, seguidos por fundos de investimento, com R$ 3,117 bilhões, e ações, com R$ 2,265 bilhões. Esses e outros resultados constam nas demonstrações contábeis referentes a 2019, aprovadas na quarta-feira (18/3/2020) pelo Conselho Deliberativo da Petros, instância máxima de governança da Fundação.

"Os números refletem a maturação das medidas que vêm sendo adotadas e o trabalho desenvolvido pelas equipes técnicas em prol de uma missão comum. Estamos trabalhando incansavelmente para construir o futuro da Petros e resgatar a credibilidade e a confiança da Fundação. Tenho certeza que a Petros sairá fortalecida e pronta para viver um novo momento em sua história", destaca o presidente da Petros, Bruno Dias.

Importante vitória para a Petros, o balanço também recebeu o aval do Conselho Fiscal depois de 16 anos consecutivos de pareceres contrários às demonstrações contábeis, o que demonstra o novo momento vivido pela Fundação e reflete os esforços empreendidos pela atual administração para o fortalecimento da governança da entidade, por meio de um trabalho técnico e pautado pelo compromisso com os participantes.

Além disso, a auditoria independente atestou, em seu parecer, a conformidade das demonstrações financeiras de 2019 em relação às normas contábeis, reforçando o compromisso da atual gestão com as melhores práticas de governança corporativa. Para saber mais, clique aqui.

PPSP-NR: resultado positivo no exercício pela 1ª vez após sete anos

O PPSP-NR teve resultado líquido dos investimentos de R$ 2,183 bilhões, montante bem superior ao registrado no ano anterior. Em relação ao passivo do plano, além do crescimento natural do montante necessário para cobrir todas as obrigações futuras - atualizadas anualmente pela meta atuarial - houve um aumento em função da redução da taxa de juros no encerramento do exercício. O corte - de 5,27% para 4,37% - foi necessário para adequar as taxas ao cenário econômico e, assim, reduzir o risco de novos déficits, proporcionando mais sustentabilidade no longo prazo.

Mesmo com a necessidade de ajuste na taxa de juros, o PPSP-NR apresentou o primeiro resultado positivo no exercício - de R$ 1,745 bilhão - depois de sete anos. Com isso, houve uma redução no equilíbrio técnico acumulado de 2018 para 2019, saindo de um resultado negativo de R$ 2,839 bilhões para R$ 1,093 bilhão.

É importante destacar que a situação financeira-atuarial apresentada tem caráter contábil, pois este montante deficitário já foi incorporado no Novo PED, proposta de reequilíbrio do plano, que abrange os déficits de 2015 e 2018 e contempla o resultado de 2019. Mas, como o Novo PED foi aprovado pelo Conselho Deliberativo em fevereiro deste ano, ou seja, após o encerramento do exercício de 2019, e ainda depende do aval da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest) e da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), o resultado completo alcançado com o trabalho de reestruturação só será refletido nas demonstrações financeiras de 2020.

Renda fixa sobe quatro vezes mais que o CDI e impulsiona resultado

No PPSP-NR, o destaque do ano foi a renda fixa, que avançou 23,94%, quatro vezes mais que o CDI (5,96%), referência para o segmento. A gestão ativa desta classe de ativos, que tem grande representatividade na carteira, especialmente os títulos atrelados à inflação, impulsionou o desempenho. A partir de um trabalho de alongamento dos prazos dos títulos públicos (NTNBs), houve uma valorização desses papéis, que se beneficiaram com a melhora da economia.

A avaliação ao longo de 2019 foi que o cenário de inflação benigna e de recuperação gradual da economia - juntamente com a implementação da agenda de reformas, em especial a da previdência - permitiria um movimento de redução das taxas de juros. Com esta perspectiva, a estratégia principal foi manter elevada a exposição a papéis de prazo mais longo indexados à inflação, decisão que se mostrou acertada. Inclusive, o rendimento dos títulos públicos destacou-se entre os ativos do plano, representando cerca de 65% do total no PPSP-NR (R$ 1,427 bilhão).

A renda variável também apresentou boa performance, com alta de 29,37%, ficando levemente inferior aos 31,58% do Ibovespa. A carteira de participações mobiliárias (carteira governança) impulsionou o resultado, subindo 27,56%. Já a carteira de curto e médio prazo (Fundos de Investimentos em Ações - FIAs e ações de giro) valorizou 20,85%, contribuindo para o resultado do segmento.

As operações com participantes (empréstimos) renderam 8,74%, enquanto o investimento imobiliário teve valorização de 7,01%. Por outro lado, os investimentos estruturados (FIPs) registraram queda de 17,15%.

PPSP-NR Pré-70

Originário da cisão do PPSP-NR, com data efetiva em 31 de dezembro de 2019, o plano está equilibrado. Para os participantes, a rentabilidade dos investimentos seguiu a do plano de origem.

Conselho aprova novo diretor Administrativo e Financeiro

O Conselho Deliberativo também aprovou o nome de Leonardo de Almeida Matos Moraes para a Diretoria Administrativa e Financeira, em substituição a Henrique Trinckquel. Para ser empossado na Petros, Leonardo Moraes ainda precisa ser habilitado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). Os demais integrantes da Diretoria Executiva foram reconduzidos aos cargos.

O novo diretor Administrativo e Financeiro da Petros é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), tem mestrado em Matemática pelo Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) e é doutorando em Engenharia de Sistemas e Computação na UFRJ. Também possui certificação FRM (Financial Risk Manager).

Trabalhou na Petrobras nas áreas de Tecnologia da Informação e de Estratégia Corporativa, tendo participado da criação e estruturação da Gerência Executiva de Riscos da companhia. Leonardo tem ampla experiência em gestão e comandou as áreas de Riscos Estratégicos e Análises Quantitativas de Riscos da Petrobras. O novo diretor também teve passagem pela Eletrobrás na área de pesquisas para planejamento de médio prazo. Na Petros, atuou no Conselho Deliberativo em dois períodos (2017-2018 e 2019-2020), além de compor o Comitê de Investimentos de Assessoramento ao Conselho Deliberativo.

 

Fonte: PETROS

18/03/2020

18/03/2020

 

A pandemia do novo coronavírus (COVID-19) já registrou mais de 8 mil mortes e mais de 200 mil casos no mundo. A doença já chegou ao Brasil e a cada dia se registram novos casos em vários estados do País. Por isso, o governo da Bahia e a Prefeitura de Salvador adotaram medidas rigorosas para evitar aglomerações e o contágio das pessoas. Além disso, levando em consideração que a família ASTAPE-BA é composta por idosos, o grupo de maior risco de contágio da doença, a diretoria decidiu suspender o atendimento externo a partir do dia 20 de março até 01 de abril na sede da entidade e no CAS, em Salvador. Para os casos de emergência, como o serviço de translado de pacientes que realizam hemodiálise, a funcionária Isabel atenderá através do telefone (71 98605-5495) ou via e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. Em caso de dúvida procure os diretores que vão continuar disponíveis através do telefone celular. No mais, solicitamos aos nossos associados a seguir as recomendações das autoridades sanitárias e divulgadas amplamente pela mídia. Evite sair para a rua, só em caso de emergência. Em caso de apresentar os sintomas da doença, procure atendimento médico imediato. A ASTAPE-BA vai continuar atualizando as informações, de acordo com as orientações das autoridades.

Diretoria Executiva da ASTAPE-BA

 

Clique aqui

 

14/03/2020

 

Para proteção de participantes e empregados, o atendimento presencial da Petros será temporiamente suspenso a partir de segunda-feira (16/3) em função da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Todos os agendamentos para os meses de março e abril no Rio de Janeiro e em Salvador estão cancelados. A agenda também está fechada para novas marcações.

Os participantes que já estavam com atendimento marcado para março e abril serão contatados por telefone por profissionais da Petros para que suas demandas possam ser avaliadas e atendidas. Os demais canais de atendimento - Central de Relacionamento (0800 025 35 45 e 21 3529-5550, para ligações de celular), Portal Petros e Petros App - seguem funcionando normalmente.

O atendimento telefônico da Central de Relacionamento funciona nos dias úteis das 8h às 19h. Há também atendimento automatizado por telefone 24h. O opção online via chat, no portal e no aplicativo, está disponível nos dias úteis, das 8h às 18h. Este acesso requer matrícula Petros e senha. Também é possível entrar em contato com a Fundação por e-mail. Basta clicar aqui.

Assim que a situação em relação à doença estiver estabilizada, o atendimento presencial será restabelecido. A Petros manterá todos os participantes informados.

Para evitar o contágio da doença, a Petros também destaca que é importante que todos sigam no dia a dia as recomendações da Organização Mundial da Saúde.

- Lavar as mãos com sabão ou usar álcool em gel com frequência;

- Evitar tocar nos olhos, nariz e boca;

- Cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir. Utilizar a dobra do braço ou lenço de papel, que deve ser descartado no lixo em seguida;

- Evitar contato físico, como aperto de mão. Procurar manter distância social de 1 metro de pessoas tossindo ou espirrando;

- Em caso de tosse, febre ou dificuldade respiratória, procurar um médico.

 

Fonte: Petros

13/03/2020

11/03/2020

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou nesta terça-feira (10/3) o Novo PED, que abrange déficits de 2015 e 2018, e algumas alterações nos regulamentos do PPSP-R e do PPSP-NR.

De acordo com o comunicado ao mercado divulgado pela Petrobras na noite desta terça-feira, o valor de responsabilidade da companhia será arcado por meio de contribuições extraordinárias ao longo da existência dos dois planos, que totalizam o montante de R$ 13,6 bilhões, e por meio de uma contribuição à vista, no valor de R$ 2,02 bilhões, no momento da efetiva implementação do Novo PED.

Com a aprovação da Petrobras, o Novo PED e as alterações de regulamento seguem agora para a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), órgão supervisor da estatal. A implementação depende também da aprovação da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), que fiscaliza o setor.


O Novo PED tem o objetivo de reduzir o impacto financeiro das contribuições extraordinárias no orçamento mensal de grande parte dos participantes e oferecer sustentabilidade ao PPSP-R e ao PPSP-NR. Marcado pelo amplo debate, foi construído com base em uma proposta do GT Paritário e negociado entre Petros, patrocinadoras e entidades representativas dos participantes durante diversas rodadas de encontros presenciais. O novo modelo também foi aprovado em todas as assembleias das entidades.

O novo modelo de equacionamento difere do PED-2015 por ter alíquota única de contribuição extraordinária, em vez de alíquotas escalonadas de acordo com faixas salariais, ambas propostas considerando a situação do participante no plano (ativo ou assistido); estender o tempo de cobrança para vitalício em vez de 18 anos; e por instituir uma contribuição extraordinária mais alta, de 30% sobre o 13º benefício. Estas mudanças se unem a outras alterações como o estabelecimento de um novo critério para cálculo do valor de pecúlio.


Também foram realizadas mudanças nos regulamentos do PPSP-R e do PPSP-NR necessárias para garantir o equilíbrio econômico-financeiro-atuarial dos planos, bem como para adequação à Resolução 25 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) de 2018.


Para saber mais sobre o Novo PED, clique aqui e acesse o hotsite.

 

Fonte: Petros

10/03/2020

08/03/2020

 

Prezado (a) beneficiário (a),

 

Comunicamos que foram identificadas inconsistências na geração do Comprovante Anual de Retenção de Despesas Médicas (DMED) dos beneficiários da AMS, registrando valores incorretos no Informe de Rendimentos (DIRF).

 

A Petrobras já está atuando na retificação dos demonstrativos e a previsão é que até a próxima segunda-feira (09/03) os comprovantes já estejam disponíveis com os valores corrigidos.

 

Informamos também que, como o erro foi identificado com antecedência, os nossos beneficiários irão receber os documentos com os cálculos corretos em seus respectivos endereços cadastrados.

 

Para mais informações sobre o Imposto de Renda, contate a nossa Central de Relacionamento durante horário comercial (0800 287 2267 -> opção 3) ou acesse AQUI o nosso documento de perguntas e respostas.

 

Agradecemos a compreensão de todos!

 

Fonte: AMS Petrobras

05/03/2020

Notícias Anteriores


ASTAPE-BA - ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA PETROBRAS DA BAHIA.