NOTÍCIAS 

 

19/05/2020

 

Atenção aposentados e pensionistas. A direção da Petrobrás vem adotando várias medidas que nos atingem diretamente, na Petros e/ou AMS. TODO CUIDADO É POUCO. Por isso, a denúncia do companheiro aposentado, Carlos Augusto Costa dos Santos, Técnico de Segurança da UO-BA, nos alerta para um problema que poderá vir a ocorrer no procedimento da PROVA DE VIDA, principalmente para aqueles mais jovens, e se desligaram recentemente da empresa, devem ficar atentos, como também os que saíram do convênio INSS/PETROS.

Para os segurados que recebem por meio do convênio INSS/Petros, o procedimento é interno, realizado pela própria Petros. Já para aqueles que que se desvincularam do convênio INSS/PETROS devem procurar sua agência bancária para realizar a PROVA DE VIDA, no período solicitado. Baseado nisso, se permanecer o convênio INSS/PETROS, a Diretoria da ASTAPE-BA recomenda a não desvinculação.

Por algum erro, há dois meses, o registro do petroleiro aposentado Carlos Augusto foi parar no Sistema de Controle de Óbitos do INSS (SISOBI) e por isso seus benefícios foram suspensos. Desde então, Carlos Augusto tenta reaver o benefício, seguindo orientações do INSS, da Petros e da agência bancária. Nesse jogo de empurra-empurra até agora nada foi resolvido e por isso, teve de recorrer às economias para pagar as contas e garantir a sobrevivência dele e sua família.

A ASTAPE-BA sensibilizada com a situação do companheiro entrou em contato com o escritório da Petros na tentativa de achar uma saída. O órgão acredita na possibilidade de que o erro foi do INSS, responsável pelo cadastro dos beneficiários.

Para reaver o benefício, o órgão recomenda ao aposentado entrar no site Meu INSS (meu.inss.gov.br), acessar a Declaração de Regularidade de Situação do Contribuinte Individual (DRSCI) e encaminhá-la para a Petros pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O DRSCI comprova que o trabalhador está com situação cadastral regular e com seus recolhimentos em dia.

Esperamos que o companheiro consiga resolver o problema com essas recomendações.

Para entender o problema veja o depoimento do colega Carlos Augusto:

Caros colegas aposentados pelo sistema PETROS/INSS. Trago uma experiência vivida e que qualquer beneficiário aposentado pode também passar. Estou há dois meses sem receber o benefício Petros e nem INSS, tudo porque fui incluído no SISOBI (sistema de óbitos do INSS). Com isso tive suspenso ambos os benefícios.

A Petros por sua vez nos deixa órfãos, sob alegação de que só poderá reativar os pagamentos após o INSS regularizar a situação. Com isso, até o acesso à área do participante está negado (não tenho acesso). Interessante é que a Petros é responsável pela PROVA DE VIDA dos beneficiários, acredito que nenhum de nós, aposentados, tenha ido ao banco para fazê­-lo, eu já tentei, mas o banco informa que não tem dados para isso.

Dei entrada no pedido de reativação do benefício no INSS e lá a informação que sempre me dão é que o pedido está em ANÁLISE.

A Petros, por sua vez, nos ignora dizendo apenas que só normalizará os pagamentos e o acesso ao portal (área do participante) quando o INSS reativar o benefício.

Aqui está tudo bem até o momento. Por enquanto, venho utilizando minhas suadas reservas para honrar os meus compromissos financeiros e de subsistência até que tudo se resolva.

A ideia de falar sobre esta experiência é para alertar sobre esta possível situação e se não tivermos uma reserva, que cubra pelo menos alguns meses de nossas responsabilidades financeiras, poderá se instalar o caos em nossas vidas.

 

Aposentado da Petrobrás Carlos Augusto Costa dos Santos, Técnico de Segurança, UO-NS

Notícias Anteriores


ASTAPE-BA - ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DA PETROBRAS DA BAHIA.